Os movimentos em torno da política de preservação no Brasil | Casarão de Ideias
Pages Navigation Menu

Os movimentos em torno da política de preservação no Brasil

Os movimentos em torno da política de preservação no Brasil

A solenidade do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade sempre nos traz boas sensações, mas neste ano gostaria de compartilhar com vocês uma em especial: a clara percepção de que há dois movimentos em torno da política de preservação no Brasil. São dois movimentos diferentes nos seus propósitos, mas que têm em comum o fato de que ambos vêm de fora para dentro, das forças da sociedade e do ambiente político em direção ao Iphan.

Um está claramente representando pelos resultados deste Prêmio. Se pudermos sintetizá-la, essa premiação é a materialização da ideia da sociedade civil se apoderando do patrimônio. A sociedade civil se apropria do sentido do patrimônio, uma vez que o conceito de referência cultural, forjado nos anos 1980, é o traço comum das iniciativas aqui premiadas; se apropria do papel político do patrimônio, ou seja, do patrimônio como território de estabelecimento de valores, de desejos, de campos em disputa; se apropria da agenda da preservação, enfocando todas as naturezas de bens a proteger: bens materiais, bens imateriais e acervos; se apropria das técnicas, do vocabulário, dos instrumentos, o que vale dizer que, o que era antes considerado como um domínio altamente especializado, inatingível, sob o controle de poucos, está hoje perfeitamente incorporado às iniciativas aqui premiadas.

Tudo isso é alentador por ser o sinal de uma política pública vitoriosa, mas é também muito demandante. Embora esse movimento venha gradativamente se espraiando para o nível local, permanece a expectativa de que, a partir do governo federal, se possa interferir em tudo, das normas urbanísticas tão negligenciadas pelos municípios e deixadas a cargo dos agentes econômicos; à propriedade intelectual coletiva, tema tão complexo e ainda não solucionado sequer no campo do Direito.

Disse que eram dois movimentos, ambos de fora para dentro. Falo agora do segundo:

Este, como o primeiro, também resulta da compreensão de que a política de preservação é bem mais do que a mera conservação de raridades e de prédios antigos, mas que tem um papel estratégico, seja na economia, na ordem urbanística, ou nas relações sociais.

Para o Iphan, condutor quase isolado dessa política ao longo de décadas, há hoje no ar o sentimento de certa “perda da inocência”, ao ver chegar algo que a instituição temeu e evitou durante muito tempo, à custa de, por vezes, se recolher a um segundo plano, ou a um plano do quase invisível. É inegável que a política de patrimônio hoje atiça olhares, cobiça e, sobretudo, desejo de instrumentalização.

Temos uma solidez institucional que nos permite continuar trazendo boas notícias, mesmo em tempos difíceis – o licenciamento funcionando bem e integrado, a política de salvaguarda dos bens imateriais cada vez mais enraizada, o apreço e a efetividade do instrumento do tombamento, o PAC Cidades Históricas e várias ações de conservação sendo executadas.

Nossas unidades estaduais são empreendedoras, são muito mais do que o tradicional serviço público, cujo papel é responder à demanda dos cidadãos. Durante todos esses anos, fomos criadores das nossas próprias demandas, criadores de desejos, criadores dessa agenda que hoje não está mais circunscrita à nossa casa.

Qual é a relação de tudo isso como a nossa celebração de hoje? Ou qual é o sentido do Prêmio Rodrigo, que, depois de 28 anos, permanece com o frescor de quando foi criado?

É justamente colocar o primeiro movimento como contraponto do segundo movimento. Ou seja, colocar a sociedade civil como destinatária e legítima dona da politica de preservação. É a ela que essa política se destina, é a ela que servimos e, portanto, dela devem vir os sinais, o ritmo, as falas, as escolhas.

Que se multipliquem os Barianis e as Mães Beatas de Iemanjá!
Que proliferem professores públicos como Luis Guilherme Baptista e documentaristas como Deniston Diamantino;
Ou parcerias sensíveis como a de Paulo Volles e Angelina Wittman;
Gente com a tenacidade dos Cavaleiros de Jorge, ou com a criatividade da Orquestra de Barro Uirapuru;
Pesquisadores e quilombolas conscientes como os da Tiririca dos Crioulos, uni-vos!

Essa não é a apenas nossa única saída, essa é a nossa melhor saída: apoderem-se da política do patrimônio! Queremos estar à altura de interpretar e fazer valer suas vontades!

Jurema Machado
Presidenta do Iphan

Os movimentos em torno da política de preservação no Brasil

Os movimentos em torno da política de preservação no Brasil

Leia também:

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *